28 de abr de 2012


Clara Francisca Gonçalves Pinheiro, conhecida como Clara Nunes

BOA TARDE AMIGOS E VISITANTES, HOJE TRAGO MAIS UM TEXTO QUE SERÁ POSTADO  EM DEPOIMENTO DE FÃ, O TEXTO É DA PÁGINA QUINTAL DO SAMBA, AUTORIZADO POR J. MATEUS.
TENHAM UM FINAL DE SEMANA ILUMINADO!

Clara Francisca Gonçalves Pinheiro, conhecida como Clara Nunes


Publicado em 12 de agosto de 2011
Clara Francisca Gonçalves Pinheiro, conhecida como Clara Nunes (Paraopeba, 12 de agosto de 1942 — Rio de Janeiro, 2 de abril de 1983), foi uma cantora brasileira, considerada uma das maiores intérpretes do país. Pesquisadora da música popular brasileira, de seus ritmos e de seu folclore, Clara também viajou várias vezes para a África, representando o Brasil.
Conhecedora das danças e das tradições afro-brasileiras, ela se converteu à umbanda. Clara Nunes seria uma das cantoras que mais gravaria canções dos compositores da Portela, sua escola do coração. Também foi a primeira cantora brasileira a vender mais de 100 mil cópias, derrubando um tabu segundo o qual mulheres não vendiam disco.
Caçula dos sete filhos do casal Manuel Ferreira de Araújo e Amélia Gonçalves Nunes, Clara Nunes nasceu no interior de Minas Gerais, no distrito de Cedro – à época pertencente ao município de Paraopeba e depois esse distrito virou cidade e foi emancipado com o nome de Caetanópolis, onde viveu até os 16 anos.
Marceneiro na fábrica de tecidos Cedro & Cachoeira, o pai de Clara era conhecido como Mané Serrador e também era violeiro e participante das festas de Folia de Reis. Mas Manuel morreu em 1944 e, pouco depois, Clara ficaria também órfã de mãe e acabaria sendo criada por sua irmã Dindinha (Maria Gonçalves) e o irmão José (conhecido como Zé Chilau). Naquela época, Clara participava de aulas de catecismo na matriz da Cruzada Eucarística. Lá também cantava ladainhas em latim no coro da igreja.
Segundo as suas próprias palavras, cresceu ouvindo Carmem Costa, Ângela Maria e, principalmente, Elizeth Cardoso e Dalva de Oliveira, das quais sempre teve muita influência, mantendo, no entanto, estilo próprio. Em 1952, ainda menina, Clara venceu seu primeiro concurso de canto organizado em sua cidade, interpretando “Recuerdos de Ypacaraí”. Como prêmio, ganhou um vestido azul. Aos 14 anos, Clara ingressou como tecelã na fábrica Cedro & Cachoeira, a mesma para o qual seu pai trabalhou.
Teve que se mudar para Belo Horizonte, indo morar com a irmã Vicentina e o irmão Joaquim, por causa do assassinato de um namorado, cometido em 1957 por seu irmão Zé Chilau. Na capital mineira, Clara trabalhou como tecelã durante o dia e fez o curso normal à noite. Aos finais de semana, participava dos ensaios do Coral Renascença, na igreja do bairro onde morava. Naquela época, conheceu o violonista Jadir Ambrósio, conhecido por ter composto o hino do Cruzeiro. Admirado com a voz da jovem de 16 anos, Jadir levou Clara a vários programas de rádio, como “Degraus da Fama”, no qual ela se apresentou com o nome de Clara Francisca.
Mudança de nome
No início da década de 1960, Clara conheceu também Aurino Araújo (irmão de Eduardo Araújo), que a levou para conhecer muitos artistas. Aurino também seria seu namorado durante dez anos. Por influência do produtor musical Cid Carvalho, mudou o nome para Clara Nunes, usando o sobrenome da mãe. Quando solteira se chamava Clara Francisca Gonçalves de Araújo, depois de casada que adotou o sobrenome Pinheiro.
Em 1960, já com o nome de Clara Nunes e ainda como tecelã, ela venceu a etapa mineira do concurso “A Voz de Ouro ABC”, com a música “Serenata do Adeus”, composta por Vinicius de Moraes e gravada anteriormente por Elizeth Cardoso. Na final nacional do concurso realizada em São Paulo, Clara Nunes obteve o terceiro lugar com a canção “Só Adeus” (de Jair Amorim e Evaldo Gouveia).
A partir daí, Clara Nunes começou a cantar na Rádio Inconfidência de Belo Horizonte. Durante três anos seguidos foi considerada a melhor cantora de Minas Gerais. Ela também passou a se apresentar como crooner em clubes e boates na capital mineira e chegou a trabalhar com o então baixista Milton Nascimento – àquela altura conhecido como Bituca.

Naquela época, fez sua primeira apresentação na televisão, no programa de Hebe Camargo em Belo Horizonte. Em 1963, Clara Nunes ganhou um programa exclusivo na TV Itacolomi, chamado “Clara Nunes Apresenta” e exibido por um ano e meio. No programa se apresentavam artistas de reconhecimento nacional, entre os quais Altemar Dutra e Ângela Maria. 
Viveu em Belo Horizonte até 1965, quando se mudou para a cidade do Rio de Janeiro, mais especificamente para Copacabana.
Os primeiros discos
Já no Rio de Janeiro, Clara Nunes se apresentava em vários programas de televisão, como José Messias, Chacrinha, Almoço com as Estrelas e Programa de Jair do Taumaturgo. Antes de aderir ao samba, Clara cantava especialmente boleros. Além de emissoras de rádios e televisão, ela também percorreu escolas de samba, clubes e casas noturnas nos subúrbios cariocas.
Ainda em 1965, ela passou por um teste como cantora na gravadora Odeon, onde registrou pela primeira vez a sua voz em um LP. O disco foi lançado pela Rádio Inconfidência (onde Clara trabalhou quando morava em Belo Horizonte) e contava com a participação de outros artistas, todos da Odeon.
No ano seguinte, Clara foi contratada por esta gravadora, a primeira e a única em toda a sua vida. Naquele mesmo ano, foi lançado o primeiro LP oficial da cantora, “A Voz Adorável de Clara Nunes”. Por insistência da gravadora para que ela interpretasse músicas românticas, Clara apresentou neste álbum um repertório de boleros e sambas-canções, mas o LP foi um fracasso comercial.
Em 1968, Clara Nunes gravou “Você Passa e Eu Acho Graça”, seu segundo disco na carreira e o primeiro onde cantaria sambas. A faixa-título (de Ataulfo Alves e Carlos Imperial) foi seu primeiro grande sucesso radiofônico.
No ano seguinte, a Odeon lançou “A Beleza Que Canta”, LP no qual a cantora interpretou “Casinha Pequena”, uma canção de domínio público.
Ainda em 1969, Clara Nunes ganhou o primeiro lugar no “I Festival da Canção Jovem de Três Rios” com a música “Pra Que Obedecer” (de Paulinho da Viola e Luís Sérgio Bilheri) e ainda classificou a canção “Encontro” (de Elton Medeiros e Luís Sérgio Bilheri) na terceira colocação.
Ficou em oitavo lugar no “IV Festival Internacional da Canção Popular” com a música “Ave Maria do Retirante” (de Alcyvando Luz e Carlos Coqueijo), que foi lançada naquele mesmo ano em disco homônino.
Considerada a cantora que mais gravou obras de compositores portelenses, ela será lembrada no Carnaval de 2012 da azul e branco de Oswaldo Cruz e Madureira. O carnavalesco Paulo Menezes desenvolve o enredo “E o povo na Rua Cantando. É feito uma Reza, um Ritual”.
Homenagem merecida feita pela Paraíso do Tuiuti
Clara Nunes também será homenageada, no Carnaval 2012, pela Paraíso do Tuiuti, que dedica seu enredo a ela, com o título: “Clara Nunes – A tal mineira”. Para saber um pouco mais sobre o pensamento da escola em relação à artista, o carnavalesco Jack Vasconcelos, que, além de admirar a cantora pelo que representa até hoje, disse que está se surpreendendo positivamente com o retorno dos fãs.
“A obra de Clara Nunes é um tratado de identidade nacional. Ela deixou esse legado para o povo brasileiro. Ouvir Clara Nunes é estudar a história do Brasil. Não tem como mensurar a importância dela. Ainda tá sendo espantoso, porque só de falar o nome dela, as pessoas já se sensibilizam. O nome dela é muito forte. Tem gente que é fã, mas nunca viu a Clara cantar. Tem um massa de gente jovem que é fã e sã super ligados à Clara. Para mim, descobrir isso está sendo uma surpresa muito boa”, disse.
Jack destacou que percebeu que os fãs de Clara Nunes, mesmo jovens, que entraram em contato com ele devido ao enredo, são realmente fãs, já que buscam “além da música dela, mas também, sua história de vida”.
O carnavalesco da Tuiuti acredita que, atualmente, as pessoas estão se afastando das “nossas raízes” e se distanciando dos “nossos valores”, por isso, se emociona ao falar de Clara Nunes.
“Falar de Clara, fazer ela ser lembrada já levanta uma discussão sobre o que é nosso. Isso já marcou, vai ficar para sempre”.
Jack lembrou que o desfile da Paraíso do Tuiuti em 2012 vai abordar o nascimento de Clara Nunes e o personagem no qual ela se transformou. As obras da cantora serão o foco do enredo, que promete emocionar o público.
Assista o clipe da música “Abrigo de Vagabundo” com Clara Nunes com a participação especial de Adoniran Barbosa
**

Nenhum comentário:

HOMENAGENS!

Loading...

CLARA NUNES, MEU SONHO CRISTALINO!

guerreira!

MINHA HOMENAGEM Á CLARIDADE

PARCERIA MERCADO LIVRE

CLARA NO YOU TUBE

Loading...

ANINHA VIEIRA

Minha foto
BRASIL, RS, Brazil
MAIS UM ESPAÇO DEDICADO A NOSSA ESTRELA MAIOR CLARA NUNES. CLARA, NÓS TE AMAMOOOOOOOOOOOOOSSS!!!! ANINHA VIEIRA/RS